20 de maio de 2024

MÊS DA PACIÊNCIA NEGRA ?

MÊS DA PACIÊNCIA NEGRA ?

Apesar da pegada neoativista da alcunha para o mês da consciência negra, realmente há que se concordar em muitos pontos.

Assim como há um esforço de visibilização da questão negra no Brasil e da necessidade de afirmação/valorização da cultura e combate ao racismo e desigualdade, há também um esforço em sentido contrário. Um esforço de desinformação, minoração e metarracismo. E é aí que entra a paciência… .

De uns tempos para cá, graças aos esforços metarracistas de alguns “autores”, “intelectuais” reacionários e uma multidão de desavisados reprodutores acríticos, todo novembro lá vem a ladainha “ah!, mas Zumbi tinhas escravos…” .

E lá vamos nós NOVAMENTE ter que explicar a diferença entre servidão e escravidão e os motivos da prática em Palmares.

Sim, havia servidão, o trabalho compulsório e falta de liberdade em Palmares, mas não na forma, motivação e comparável à escravidão nos termos coloniais. O que faz toda a diferença.

Só ficavam nessa condição de servidão e controle os negros que se recusavam a fugir quando dos ataques quilombolas para permanecer servindo aos senhores brancos. Eventualmente os próprios coloniais eram capturados.

Também perdiam a liberdade os que ofereciam perigo para a segurança quilombola por suspeita de colaboração com os escravocratas.

Ou seja, não eram escravizados, como os do sistema colonial, eram “servos obtidos em guerra” coisa comum nas culturas não apenas africanas mas de todo o mundo, ao longo da história. Importante dizer que não eram “peças” comercializáveis, em condições perpétuas e hereditárias como na escravidão fomentada pelos europeus.

Palmares era uma República de tradições africanas enclavada por quase século de resistência na colônia portuguesa.

Seria bom que os que insistem em usar o argumento da “escravidão palmarina” lessem sobre a servidão em África e as totais diferenças entre motivos, execução e características para a escravidão colonial que os palmarinos combatiam.

Não é um livro ou artigo científico, mas um texto referenciado bem didático, leve, para todo mundo entender… Googlar “escravidão na áfrica” + “historiadomundo”.

Sobre o autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *