1 de dezembro de 2021

Eu ia fazer essa postagem de tarde, por uma inquietação que tenho com o uso inadequado de termos e conceitos. Agora com a morte de Paulo Gustavo, acho pertinente pois de certa forma tem a ver. Outro dia me deparei com um notícia/postagem em que a ex-presidente Dilma era chamada de “homofóbica”, por não ter comprado como se ativista fosse, algumas reinvindicações do movimento LGBT, a exemplo do veto ao apelidado “Kit Gay” e por ter se aliado politicamente à conservadores, esses sim homofóbicos. Obviamente discordo da pecha. Vou me alongar pouco no texto, prefiro as imagens que dão conta de que o termo não se aplica. Clique na galeria abaixo para ver integralmente as fotos:

Pela ordem…: “Homofóbico(a)” é termo aplicável à quem tem pensamento exteriorizado e ações relacionadas à homofobia. O fato de Dilma não ter sido uma “ativista pela causa” ou politicamente não ter enfrentado os seus “aliados” conservadores (estes sim homofóbicos) não fazem dela uma homofóbica sequer em figura de linguagem.

Com relação à ações de seu governo pro-LGBT dá para citar algumas… :

2011
Criação do módulo LGBT no Disque 100
A intenção foi preparar o Disque Direitos Humanos para receber denúncias de violações de direitos da população LGBT.

Elaboração do 1º Relatório sobre Violência Homofóbica no Brasil
Após a publicação do relatório pela Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência da República, as denúncias contra violência homofóbica aumentaram em 116% em um ano.

Realização da 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos LGBT
Nos moldes da conferência realizada em 2008, discutiu-se nacionalmente e com diversas entidades governamentais e da sociedade civil os avanços políticos e sociais sobre o tema.

2013
Alterações no SUS
O Sistema Único de Saúde (SUS) passou a contemplar o atendimento completo para travestis, transexuais e transgêneros, como terapia hormonal e cirurgias. A identidade de gênero passou também a ser respeitada, com a inclusão do nome social no cartão do SUS.

Reconhecimento dos direitos de casais de mesmo sexo no serviço público federal
Os casais homoafetivos passaram a ter, oficialmente, os mesmos direitos de qualquer casal, como plano de saúde, licença gala, entre outros.

Assinatura do governo brasileiro à Convenção contra Todas as Formas de Discriminação e Intolerância da Organização dos Estados Americanos
O texto, assinado em Antígua (Guatemala), define as obrigações dos países sobre temas como orientação sexual e identidade de gênero.

Criação do Sistema Nacional de Promoção de Direitos e Enfrentamento à Violência contra LGBT
O Sistema Nacional LGBT é uma estrutura articulada para incentivar a criação de programas de valorização dessa parte da população, comitês de enfrentamento à discriminação e combate a violência, além de oferecer apoio psicológico e jurídico para LGBTs nessa situação.

2015
Posse de Symmy Larrat como coordenadora-geral de Promoção dos Direitos LGBT da SDH
A paraense foi a primeira travesti a ocupar o cargo. Segundo ela, uma das missões mais importantes na função era “tirar os travestis do submundo e da exclusão social”.

Fora a sanção de legislação que ajudou os casais homoafetivos a conquistar na Justiça, direitos como licença maternidade e paternidade e a adoção.

Depois de tudo isso cabe pecha-la de “homofóbica” ??? Não faz o menor sentido. As palavras devem ser usadas com precisão, cautela e responsabilidade…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *