6 de dezembro de 2021

Faz tempo, vira e mexe, escrevo sobre  tecnologia e as vantagens democratizantes da sua utilização, inclusive no “drible ao racismo”.

A exclusão bancária foi até pouco tempo difícil de contornar. O capitalismo só se mexe para incluir quando ele mesmo ganha com a inclusão. A questão é que antes não se visualizava as classes D e E como fatia de mercado. Parte por preconceito, parte por uma real e maior desigualdade que fazia o consumo e movimentação financeira básicas ao mínimo, e finalmente por falta de tecnologias que permitissem não apenas mudanças de formas de renda e hábitos de consumo nas citadas classes, bem como, uma massificação da oferta de serviços pelo mercado financeiro.

Com a internet, a telefonia celular e uma infinidade de serviços eletrônicos e online, como o comércio eletrônico, as redes sociais, o teletrabalho e a automação bancária, muita coisa mudou. Me lembro quando uma década e meia atrás, morando em Moçambique, vi as pessoas transformando seus celulares em máquinas de pagamento e recebimento pela transferência livre de créditos de celular de uma linha para outra, usados então como moeda eletrônica. Isso dava um certo “bypass” no sistema bancário.

No Brasil, a grande maioria das classes C, D e E é negra, boa parte dela na informalidade, porém participante ativa da economia e mercados.  Ter uma conta bancária, poder fazer transferências, receber e pagar sem ser em dinheiro vivo era para uma minoria, em geral empregada e com uma conta salário aberta pela empresa. Mesmo quem tinha condições privilegiadas não estava livre de sofrer discriminações e até violências nas agências bancárias ao buscar serviços ou resolver simples questões de suas contas. Exemplos de travamento de porta-giratórias, descasos de atendimento, “mata-leões” e até tiros recebidos dos seguranças da sua própria agência bancária não faltam… .

As contas digitais permitiram à esses historicamente excluídos bancários, acessarem até mais que os serviços básicos que normalmente necessitam. E principalmente permitem que se evitem as agências bancárias e todos os problemas já citados, praticamente tudo que se fazia nas agências hoje pode ser resolvido a partir do smartphone, o que também já não é “luxo” e está muito espraiado mesmo nas classes mais desfavorecidas (obviamente não estou falando do “under class” os “pobres dos pobres inatingíveis”).

Já ouvi, principalmente vindo de uma esquerda branca marxializada que nunca foi barrada na porta giratória, nem se sentiu na iminência de um tratamento discriminatório racial, que meu posicionamento é de “integração ao capitalismo” e “fuga de luta” pelo tratamento isonômico e antirracista no sistema, ou que o digital é uma forma de apartheid que cria uma classe que fica distante das agências.   Vou dizer, estou nem aí para isso…, não pretendo “fazer a revolução”, tomar os meios de produção e o sistema financeiro, tampouco insistir em escaramuças evitáveis com o racismo institucional e ficar perdendo tempo, “gastando bílis”e ainda por cima arriscando minha integridade física e moral em atendimento presencial, isso não é de fato necessário nem vantagem.

Sou da prática. Vivemos em um sistema que pode sim ser contestado, alterado com muita luta, mas convenhamos, assim como no judô as vezes é melhor se adaptar ao adversário e usar sua própria força para derruba-lo, ou ao menos apanhar menos dele… .

No fim o que importa é ver um monte de gente que vivendo no capitalismo e em um ecosistema tecnológico era extremamente excluída, e hoje muitíssimo menos.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *