27 de novembro de 2021

Racismo: Universitários batem e injuriam negro de 55 anos no interior de SP

Bem que eu tento…, vários posts "pegando leve" e tentando "mudar de assunto" mas eis que…, já começou a "pipocar"  na rede de blogs e nas TVs, mais um caso de racismo explícito no Brasil  que Ali Kamel  & Cia.  não enxergam… .

Três estudantes de Medicina de uma Faculdade particular em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, foram presos após baterem com um tapete enrolado do carro que ocupavam , em um ciclista negro de 55 anos que ia para o trabalho na manhã de hoje; ao mesmo tempo que gritavam "NEGRO !" e vibravam. 

A cena foi testemunhada por várias pessoas que denunciaram os estudantes, localizados e presos com enquadramento por racismop logo em seguida.

Os mesmos já "baixaram"  à cadeia de uma cidade próxima, o crime de racismo é inafiançavel , mas geralmente é enquadrado como injúria racial (que é afiançavel) , a autoridade policial desta vez agiu rápido e corretamente, sem tentar "aliviar" para os "boyzinhos". 

Agora só falta algum neo-democrata-racial aparecer dizendo que isso é fruto do "ódio" e da "divisão racial" gerada pelas AA… , como se casos e mais casos diários de discriminação com violência física ou não, não acontececem desde sempre… .

A diferença é que agora a divulgação das notícias não fica mais dependendo exclusivamente dos grandes veículos de comunicação…, na era dos blogs e do twitter, não dá mais para ficar "omitindo" esse tipo de notícia…,  para os "grandes veículos" ou dá também ou perde credibilidade.

0 thoughts on “Racismo: Universitários batem e injuriam negro de 55 anos no interior de SP

  1. Apesar de já estarem soltos, a comissão de ética da Faculdade Barão de Mauá, onde estudam os três, SUSPENDEU por 60 dias os estudantes, segundo a comissão não devido ao inquérito policial, mas devido a processo interno pelo fato dos estudantes terem MACULADO o nome da Instituição ao realizarem ato que vinculou o nome da Faculdade a ação criminosa.
    Bom, parece que a Faculdade realmente não está preocupada com o ato racista em si…, mas sim com a vinculação de sua imagem…, esperado…, de qualquer forma suspender os alunos (nas férias ?  )  é um começo…
     

  2. Apesar de já estarem soltos, a comissão de ética da Faculdade Barão de Mauá, onde estudam os três, SUSPENDEU por 60 dias os estudantes, segundo a comissão não devido ao inquérito policial, mas devido a processo interno pelo fato dos estudantes terem MACULADO o nome da Instituição ao realizarem ato que vinculou o nome da Faculdade a ação criminosa.
    Bom, parece que a Faculdade realmente não está preocupada com o ato racista em si…, mas sim com a vinculação de sua imagem…, esperado…, de qualquer forma suspender os alunos (nas férias ?  )  é um começo…
     

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *